Como o dinheiro é criado pelos Bancos Centrais e como o gasto público gera inflação

Endividamento governos
Clique na imagem para visualização em alta definição

Dando continuidade na série de posts sobre o sistema bancário e financeiro, e como a expansão desenfreada de crédito desses arranjos impulsionou a crise de 2008. Veremos agora a política monetária dos Bancos Centrais e qual a relação dos déficits dos governos com a inflação.

No post sobre o sistema bancário, tentei explicar de forma resumida como o atual arranjo permite que os bancos comerciais criem dinheiro do nada, por meio das reservas fracionárias. Mas e a criação de dinheiro pelos Bancos Centrais? Detentores das reservas dos bancos comerciais, os BC’s possuem um único meio legal de criarem dinheiro, que é através dos déficits e financiamentos das dívidas dos governos.

Funciona assim, um governo não consegue arrecadar impostos suficientes para cobrir seus gastos, e então gera uma dívida. Para sanar essa dívida, o governo obviamente necessitará de um empréstimo, então emite títulos da dívida pública como uma forma de comprovante e capta os recursos com bancos comerciais. Os bancos por sua vez vendem esses títulos ao banco central que então cria dinheiro para pagar pelos mesmos. Nesse processo de captação de recursos para o governo, entram também fundos de investimentos, pensões e investidores comuns. Mas majoritariamente os empréstimos são financiados por bancos e repassados ao Banco Central.

Faça um breve exercício de reflexão de quantos investimentos no setor privado poderiam ser feitos se os fundos de investimento e pensões não tivessem essa opção de investir recebendo juros das dívidas do governo? Em um governo superavitário, além de abrir brechas para redução gradual de impostos, não haveria déficit para ser coberto, e todos os investimentos teriam de ser voltados a compra de ativos que realmente geram riqueza.

É fácil perceber nesse sistema como os déficits governamentais estimulam a expansão monetária e a consequente inflação. É importante frisar também que essas dívidas geradas pelos governos, serão repassadas a gerações futuras e as mesmas terão de arcar com tudo. Se os governos são ineficientes e deficitários hoje, o que leva a crer que conseguirão equilibrar as contas para o futuro? Qual você acha que será a medida tomada para o governo evitar aumento da dívida, cortar gastos ou aumentar impostos no futuro?

Vale ressaltar que a compra dos títulos pelos BC’s também é uma forma dos mesmos controlarem a taxa de juros dos países. Ao comprarem muitos títulos, os BC’s injetam dinheiro na economia e derrubam as taxas de juros por aumentarem a oferta de dinheiro. Ao venderem muitos títulos, retiram liquidez dos bancos comercias, restringindo a oferta de dinheiro e consequentemente aumentando as taxas de juros.

No artigo sobre a crise dos subprimes, afirmo que após 2008 os governos iniciaram uma forte expansão monetária por meio da compra e emissão de diversos ativos. Essa monstruosa expansão monetária colocou as taxas de juros de diversos países em patamares negativos, e ainda assim as economias não reaqueceram, o que emite um preocupante alerta sobre o qual falaremos no próximo post.