As perigosas medidas dos Bancos Centrais do mundo

Juros
Clique na imagem para visualização em alta definição

Conforme mencionei nos artigos anteriores, logo após o caos global causado pela crise de 2008 o Banco Central americano iniciou uma monstruosa expansão monetária. No atual arranjo econômico em que vivemos, os BC’s possuem basicamente duas funções, a de cobrir os déficits dos governos (para criar dinheiro) e a de socorrer o sistema bancário quando esse se encontra em apuros. Exatamente o que aconteceu durante a crise dos subprimes, onde que o Fed (Banco Central Americano) iniciou uma massiva compra dos títulos podres das hipotecas americanas para salvar os bancos, e para isso teve que “imprimir” muito dinheiro.

Os gráficos acima são pontuais e mostram, na esquerda, o aumento dos balanços dos principais Bancos Centrais ao redor do mundo, onde fica clara a enorme explosão de 2008 para cá. E por que isso é preocupante? No artigo sobre a crise americana, explico como as diversas intervenções governamentais levaram ao estouro da bolha imobiliária, na qual o principal fator sem dúvida foi à dimensão que a bolha tomou devido as enormes injeções de dinheiro na economia feitas pelo Fed, iniciadas após o estouro da bolha das empresas .com. O crédito farto dado aos bancos fomentou a bolha imobiliária levando a mesma ao tamanho gigantesco que afetou toda a economia global.

Mas e aonde está todo esse crédito farto de hoje? Felizmente não há sinais de que os bancos comerciais estão despejando todo esse dinheiro em linhas de crédito, ainda. É bom relembrar, os BC’s não podem simplesmente jogar por conta esse dinheiro criado na economia, todo o processo é feito por meio dos bancos comerciais. A preocupação maior é que as munições estão sobrecarregadas, os bancos estão com muito dinheiro á disposição, e bastam algumas medidas governamentais a fim de aquecer algum setor, como o que aconteceu em 2008, para que tudo exploda de uma maneira catastrófica.

Mas a expansão traz consequências, e uma delas é a diminuição das taxas de juros. Como expliquei no último artigo, para um Banco Central criar dinheiro o mesmo precisa adquirir títulos do governo. Quanto mais títulos um Banco Central compra, mais dinheiro ele cria e coloca a disposição do sistema bancário. E quanto maior a oferta de dinheiro, menor a taxa de juros. Acontece que a expansão iniciada em 2008 foi tão grande que as taxas de juros dos principais economias estão negativas ou beirando a zero.

Com taxas de juros negativos, os investidores devem literalmente pagar para emprestar dinheiro ao governo. Sim, aí está mais uma das bizarrices do que andam ocorrendo no sistema financeiro global. Ao comprarem títulos da dívida pública dos governos, os bancos, investidores, fundos de pensão e etc. terão de pagar para fazer isso. Mas então por que ainda o fazem? Pois quando se compra títulos do governo com taxas de juros negativas, os valores dos títulos aumentam com o passar do tempo. Então ainda assim existe um retorno financeiro para tal ação.

A ideia dos juros negativos segundo os governos é de fomentar o investimento e reaquecer a economia. O problema é que isso não está acontecendo na Europa e Japão por exemplo, tivemos a recente crise da Grécia e o noticiário nos mostra que a Itália está entrando em apuros. O Japão patina há anos e sua bolsa de valores até hoje não recuperou os patamares atingidos na década de 90. No artigo sobre os bilionários coloco mais uma evidência da decadência da economia japonesa, a qual possuía em maioria as cadeiras de maiores bilionários nos anos 90.

Não estou fazendo previsões catastróficas, mas é notório que todo nosso sistema financeiro está errado e as bizarrices cometidas pelos Bancos Centrais mundo afora só comprovam isso. E como fugir desse explosivo arranjo? Difícil. Como expliquei no artigo do sistema bancário, a vasta maioria do nosso dinheiro são meros dígitos eletrônicos e nas mãos do sistema bancário, e sua retirada física esta se tornando cada vez mais impossível. Os governos nos últimos tempos estão intensificando a destruição do dinheiro físico. No próximo artigo trarei o que já foi e está sendo feito para a extinção do dinheiro papel, a popularizada War on Cash, e as consequências que isso trarão.

%d blogueiros gostam disto: