A principal origem das importações de cada país da América do Sul

Assim como nos principais destinos das exportações da América do Sul, a China já domina também as importações Sul-Americanas. Sendo a principal origem do Brasil, Chile, Peru, Paraguai, Bolívia e Uruguai, a China vem substituindo os EUA gradativamente a cada ano.

Ainda que perdendo o primeiro lugar em alguns países, os EUA ainda figuram como principal origem da Colômbia, Venezuela, Equador e Suriname.

O Brasil aparece ainda como principal parceiro comercial em importações para a Argentina. Temos ainda a Trinidade e Tobago como principal origem da Guiana e a França para a Guiana Francesa.

Importações Brasileiras

Ainda que o Brasil puxe a frente como maior importador da América do Sul, ainda possuímos uma das economias mais fechadas do mundo. Em um ranking elaborado pelo Banco Mundial, o Brasil fica em 112º entre 144 países, no quesito de tarifas de importação.

Para se ter uma gravidade da posição brasileira, ficamos atrás até de Cuba nesse ranking. Sim, o Brasil possui mais tarifas de importação que um regime socialista. Tudo isso em nome da falácia de “proteger a indústria nacional”.

Como se não bastasse a exagerada carga de tarifas, também nos destacamos nos índices de barreiras não tarifárias. Para se ter uma ideia, em 2016, das 340 barreiras impostas por toda América do Sul, Central e Caribe, 194 eram só do Brasil.

Por que temos uma economia tão fechada?

É histórico no Brasil, políticos, e a própria população, tratarem as importações como algo ruim e prejudicial a indústria nacional. Quem nunca viu algum deles discursando em prol do protecionismo, dizendo preservar empregos nacionais?

A verdade é que esse protecionismo só “protege” o consumidor brasileiro de ter acesso a produtos de qualidade, a um preço acessível. “Protege” também empresas nacionais ineficientes, que sofreriam com a concorrência internacional.

Todo esse protecionismo traz para a população brasileira, produtos eletrônicos caríssimos, remédios inacessíveis, e afeta até o preço do nosso pão, devido a taxação de importação no trigo.

Esse delírio de querer fabricar tudo nacionalmente, é proporcionalmente ilustrado pelo vídeo abaixo:

No vídeo, um homem sozinho tenta produzir um sanduíche do zero. Resultado, leva seis meses, torna o processo caríssimo para ele, e no final, ao julgar por sua expressão, não ficou nada bom.

Países protecionistas funcionam de modo semelhante. Ao não fazerem uso da divisão internacional de trabalho, acabam destinando recursos escassos para processo produtivos sem know-how. Ofertando a sua população, produtos caros e de baixa qualidade.

Principais origens das importações do Brasil

Fonte: tradingeconomics.com

Principais origens das importações da Argentina

Fonte: tradingeconomics.com

Principais origens das importações do Uruguai

Fonte: tradingeconomics.com

Principais origens das importações do Chile

Fonte: tradingeconomics.com

Principais origens das importações do Paraguai

Fonte: tradingeconomics.com

Principais origens das importações da Bolívia

Fonte: tradingeconomics.com

Principais origens das importações do Peru

Fonte: tradingeconomics.com

Principais origens das importações do Equador

Fonte: tradingeconomics.com

Principais origens das importações da Colombia

Fonte: tradingeconomics.com

Principais origens das importações da Venezuela

Fonte: tradingeconomics.com

Principais origens das importações da Guiana

Fonte: tradingeconomics.com

Principais origens das importações do Suriname

Fonte: tradingeconomics.com
%d blogueiros gostam disto: